Março: Sacerdotisa, Seis de Copas e a Ostra

Cartas de Março: A Sacerdotisa e o Seis de Copas do Wild Uknown Tarot e a Ostra do Wild Uknown Spirt Animal Deck

O mês se abre em uma sexta-feira de Lua Minguante. Sexta-feira, dia de Vênus, face da Deusa que rege o belo, o lirismo e o amor; Lua Minguante, a Anciã que se recolhe em seus mistérios. Em março, fazemos uma caminhada para nossa sombra interior para nos perguntar, afinal, a quem amamos, como amamos e se, ao fim e ao cabo, que lugar tem o amor e o outro em minha vida. Março, a chegada do outono, o que engrossa o fluxo de introspecção. As folhas caem, o sol se arrefece e a vida selvagem diminui seu ritmo. Procure desacelerar também.

Esse novo ritmo começa com a Sacerdotisa, a tigresa branca. Tigres brancos, animais solitários, tão solitários que quase não mais existem, já que não se encontram para continuar a espécie. É preciso isolar-se para compreender-se. Não tenha medo da solidão, você sempre terá a si mesmo para conversar. Sem o mergulho em nossas partes escuras, não conseguimos apreciar a luz do outro.

A noite, na carta, também é de lua minguante. Não há como escapar desse ponto de nossas jornadas. É tempo de rever amizades, relações familiares e relacionamentos. Talvez estejamos nos sentido sós mesmo rodeados daqueles que tanto consideramos. Será que estamos sós porque construímos um muro ou porque, na realidade, todas essas pessoas pouco nos preenchem verdadeiramente? Esta é uma boa pergunta para a Sacerdotisa.

Em suas reflexões, a tigresa consulta a bola de cristal. Os oráculos, a magia e os mistérios que a razão teima em dizer que são bobagens podem ser ferramentas preciosas neste momento. Aprenda a confiar em sabedorias milenares, em conhecimentos que não fluem pela lógica científica restrita e limitada do agora. Aprenda a confiar no feminino ancestral, que insiste em fluir ao invés de se conformar na rigidez. Anote seus sonhos, confie em sua intuição, perceba os infinitos sinais que lhe são mandados a todo momento. Tudo bem se você parece ser o único que ouve a mensagem que todos insistem em dar como loucura. A Sacerdotisa sabe que há um mundo a se explorar atrás do véu das ilusões da realidade mundana. Quando duvidam de ti, em verdade temem seu poder.

Poder esse que vem dos antigos, como revela o Seis de Copas, a árvore de raízes profundas. Nossas raízes são nossos ancestrais, que deram sua vida por nós. Não só aqueles cujo sangue carregamos, mas todos os que foram queimados, perseguidos e isolados por serem guardiões de um conhecimento que o mundo ainda não podia compreender, mas que chegou até nós. Empodere-se de seus ancestrais, você é o resultado de séculos de trabalho e entrega. Estamos longe de estarmos começando da estaca zero. Na verdade, deitamos no colo de abuelitas que esperam ansiosamente nosso retorno. Honre, também, a criança que você um dia foi, a criança raiz que alimentou quem hoje lê este texto. Sua criança anterior estaria orgulhosa de como você conduz a vida hoje? O que mesmo você dizia que gostaria de fazer? Como vai isso? Pode ser hora de ouvir seus anseios infantis.

Por fim, a Ostra, símbolo máximo da reclusão. Acredite, não é de propósito, é porque esta é a mensagem. Não adianta distrair-se com Carnaval, álcool ou qualquer outra via de escape. Em algum momento, você será fisgado a contemplar suas escolhas e suas relações. No entanto, há mais uma camada de significado aqui. A Ostra toma aquilo que um dia foi motivo de sua dor, o grão de areia infiltrado, e transforma em seu maior tesouro. Voltar-se para dentro é, sobretudo, um ato de autotransformação. Saia da posição de vítima das circunstâncias. Os grãos de areia já estão colocados, o que lhe cabe fazer é decidir o que fazer com eles. A Ostra escolhe transformá-los em Pérolas. Você escolhe o que?

Arthur Luna Borba | Ateliê Quartzo
Atendimentos de Tarot, Reiki e Ayurveda
Cursos e formações em Tarot, Bruxaria e terapias holísticas
Entre em contato

Baralhos utilizados: Wild Unknown Tarot e Wild Unknown Animal Spirit